sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O COMPOSITOR QUE GOSTAVA DE SAMBA E DE BRIGA






Geraldo Pereira morreu aos 37 anos depois de uma briga com o capoeirista Madame Satã. Levou um soco caiu. Meses depois.dessa briga em ele morreu num hospital do Rio.

Um dos maiores sambistas do Brasil, o mineiro de Juiz de Fora, Geraldo Theodoro Pereira, ficou conhecido no Rio como Geraldo Pereira. Seu primeiro grande sucesso foi o samba Falsa Baiana que fez para o carnaval de 1944 inspirado no compositor Roberto Martins. Ele mandou fazer uma fantasia de baiana e na hora H não teve coragem de vestí-la e sambar. Foi o primeiro sucesso de Geraldo  gravado por Ciro Monteiro. Aliás, foi Ciro Monteiro quem também gravou o samba Escurinho, em 1954, o  último sucesso do mineiro.  Foi no ano de 1954 que ele gravou seu último disco 78: Maior desacerto e Adeus:

"Adeus amor 
Eu vou partir 
É bem melhor eu ir 
Eu ir, e viver em paz 
Já é demais 
Chega de sofrer 
Juro que não vou me arrepender 
(breque-por isso que eu digo) 
Confesso que te amar 
Até morrer 
Foi sempre o meu pensar 
Mas é melhor 
Eu desaparecer 
P'ra meu coração desabafar”

Com esse samba ele parecia prever seu fim prematuro.  Ciro Monteiro contava que estava no velório quando apareceu uma criatura, toda tímida, penalizada. Pegou  no ombro de Ciro Monteiro e disse baixinho em seu ouvido. Seu Ciro, que coincidência... Ciro disse que não tinha coincidência nenhuma, na verdade o cara queria dizer, que tragédia, que tristeza, lamentável. Tudo, menos coincidência.

Geraldo Pereira era brigão, criador de caso. Os biógrafos dele contam que em 1954, quando participou de um show em comemoração ao quarto centenário da Cidade de São Paulo, foi protagonista de mais uma briga. Ao lado dos músicos Buci Moreira, Raul Marques, Arnô Carnegal, Barão, Geraldo Pereira liderou um quebra-quebra na boate Esplanada porque o empresário que os contratou não queria pagar o que era devido.  


Em 1971, em entrevista ao PASQUIM,  Madame Satã contou sua versão sobre a briga com Geraldo Pereira: "Eu entrei no Capela (Bar Capela) e estava sentado tomando um chope. Ele chegou com uma amante dele, pediu dois chopes e sentou ao meu lado. Aí tomou uns goles do chope dele e cismou que eu tinha que tomar o chope dele e ele tinha que tomar o meu. Ele pegou o meu copo e eu disse pra ele: olha, esse copo é meu. Aí ele achou que aquele copo era dele e não era o meu. Então eu peguei meu copo e levei para a minha mesa. Aí ele levantou e chamou pra briga. Disse uma porção de desaforos, uma porção de palavras obscenas, eu não sei nem dizer essas coisas. Aí eu perdi a paciência, dei um soco nele, ele caiu com a cabeça no meio-fio e morreu. Mas ele morreu por desleixo do médico, porque foi para a assistência vivo."

Outros sambas dele:


Acertei no milhar, Sem compromisso, Pisei num despacho e Bolinha de Papel, que foi regravado por João Gilberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O REPÓRTER QUE LEVOU O SOTAQUE NORDESTINO PRA TV

Wilson ibiapina Éramos três cearenses no telejornalismo da TV Globo: Francisco José ficava em Recife, eu em Brasília e o Luiz Edgar de Andra...