domingo, 3 de outubro de 2021

HEBDOMADÁRIOS CEARENSES



 Wilson Ibiapina

Jornais de pequenas cidades do interior do Ceará, principalmente no século passado, sempre se manifestavam em defesa de causas internacionais. O dono do jornal, na maioria semanários,  procurava impor seu ponto de vista, chamando a atenção dos litigantes.  Sem satélite, as comunicações eram difíceis, as notícias chegavam com atraso, mesmo assim os jornais interioranos não deixavam passar em branco as   que mais repercutiam. 


Em Ubajara, na Serra da Ibiapaba, em 1910, o jornalista Manoel Miranda, que sempre comentava os principais  acontecimentos do país, apareceu no mês de junho de 1910 dizendo: "O nosso Serrano, poderá bipartir-se no ardor de refregas desiguais, poderá  fragmentar-se no reencontro  de arbitrariedades odiosas e inconfessáveis, mas nunca amoldar-se-á aos caprichos de estranhos". A raiva toda é que ele ficou sabendo que uns argentinos tinham rasgado a bandeira brasileira. A rivalidade Brasil x Argentina vem bem antes  das disputas em campos de futebol. Antes das brigas para saber quem era o melhor, Pelé ou Maradona? Há quem diga que vem do tempo do Tratado de Tordesilha, quando a Espanha e Portugal resolveram dividir as terras que tinham na América do Sul.  E o jornalista Manoel Miranda, mesmo sem confirmação da notícia, mandou tinta:  “Se assim foi, acabaram de insultar-nos gravemente  e exigimos uma satisfação em regra. Provemos à essa  gente que não somos  nenhuns palermas, mas macaquitos de força e sentimentos patrióticos incontestáveis!”

 

Em outra serra cearense, a de Baturité, durante a segunda grande guerra,  um outro jornal, A Verdade, vociferava contra os nazistas.  O comendador da Igreja Católica,  Ananias Arruda, não perdia  oportunidade  para  criticar Adolf Hitler e o exército alemão, que fez juramento de lealdade ao Chanceler do Reich (chefe de governo) e Führer (chefe do Partido Nazista), palavra que Hitler usou para se designar líder da  Alemanha Nazista. No dia que acabou a  guerra o Comendador publicou uma edição extra de A Verdade. O jornal destacava na primeira página um editorial em que Ananias Arruda dizia:  Hitler perdeu porque não ouviu nossos conselhos. Bem que avisei.

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

MAIS LAZER, MENOS TRABALHO



Wilson Ibiapina

O poeta pernambucano, Ascenso Ferreira tinha uma filosofia que ele traduziu em versos: "Hora de comer — comerHora de dormir — dormirHora de vadiar — vadiar! Hora de trabalhar? — Pernas pro ar que ninguém é de ferro!

Sempre achei um exagero das pessoas que se envolvem de corpo e alma no trabalho. Como todo menino pobre, desde cedo fui trabalhar. Aos 12 anos ajudava meu pai a vender remédios numa pequena farmácia  que ele tinha na rua Meton de Alencar, bem ao lado do Mercado São Sebastião, em Fortaleza. Fazia parte da maioria silenciosa que não trabalha para viver, vive para trabalhar.

O juiz de direito, dr. Porto,pai do professor Tamborini, que morava na Agapito dos Santos, toda tarde, ia a pé de casa até a igreja de Nossa Senhora das Dores, em Otávio Bonfim. Um dia, passando em frente a minha casa, parou para conversar justamente sobre trabalho. Ele aposentado e eu ainda garoto, me dizia: "faça como eu, trabalhe oito horas, se divirta hora e durma oito horas."

Hoje, dei de cara com um velho livro na minha estante: Elogio ao Ócio, do filosofo inglês Bertrand Russel. O que você acha de trabalhar apenas quatro horas por dia e não oito ou dez, como querem os americanos?  Pois é exatamente o que propõe Russel,  que era matemático, também, em artigo que publicou em jornais das Europa e dos Estados Unidos. Ele juntou quinze artigos sobre o tema e publicou sob o título "O Elogio do Ócio".

A orelha da nova edição do livro é do italiano Domenico De Masi, autor do livro O Ócio Criativo. Lembra que os maiores ociosos que se tem notícia são os proprietários de terras na Europa, a maioria ostentando títulos de nobreza, alugando suas terras e colocando a massa ignara para morrer trabalhando por eles. Existem pessoas abastadas que estão convencidos que os pobres não saberiam o que fazer com tanto lazer. Podiam até morrer de tédio. Russel defende que os momentos de ócio, de despreocupação e diversão são importantes na educação dos jovens. Para que o ócio seja acessível a toda população é necessário que o trabalho passe por uma reestruturação baseada nas possibilidades abertas pelo moderno método de produção. Hoje, o homem já é substituído pelas máquinas em várias áreas de trabalho. Em 1935 ele já escrevia que "num mundo em que ninguém tenha de trabalhar mais de quatro horas diárias, todos podem saciar a curiosidade que carregam dentro de si." Acima de tudo, afirmava o filósofo, haverá felicidade e alegria de viver, em vez de nervos em frangalhos, fadiga e má digestão".

Infelizmente, essa ideia de que pobre deve ter direito ao lazer sempre chocou os ricos. O italiano Domenico De Mais, em seu livro O Ócio Criativo, diz que o homem chegou a um ponto de inversão de rota. "Pela primeira vez, após a civilização grega, o trabalho já não representa mais a categoria geral que explica o papel  dos indivíduos e da coletividade. Pela primeira vez, são o tempo livre e a capacidade de valoriza-lo que determinam o nosso destino não só cultural como também econômico".

Há muitos anos que os baianos pensam assim.

O REPÓRTER QUE LEVOU O SOTAQUE NORDESTINO PRA TV

Wilson ibiapina Éramos três cearenses no telejornalismo da TV Globo: Francisco José ficava em Recife, eu em Brasília e o Luiz Edgar de Andra...