sexta-feira, 7 de novembro de 2014

A NUDEZ QUE SERIA CASTIGADA



O Ceará e o Piauí são considerados os estados mais católicos do país. No Ceará, até bem pouco tempo, a Igreja mandava e desmandava. Lembro que, quanto tinha uns 15 anos fui passar uns dias em Ibiapina, na Serra Grande. Meus primos para homenagear-me resolveram promover uma vesperal (uma festinha no final da tarde) num salão da prefeitura. Era a oportunidade que me ofereciam de rever amigos e parentes já que ia demorar pouco na cidade. Os músicos ainda estavam afinando os instrumentos quando chega um portador dizendo que o padre estava avisando que ia começar a “benção” e queria todos na igreja. Adeus homenagem.

Pois foi durante esse clima de religiosidade, quando até falar palavrão era pecado, que Luiz Severiano Ribeiro resolveu brindar os conterrâneos com a exibição de um filme de arte. Anunciou para o cine Diogo a apresentação do filme Êxtase, com a atriz austríaca Hedy Lammar. Foi aí que o mundo desabou. O jornal católico "O Nordeste" fez logo uma campanha contra a exibição do filme. Os padres, nas missas, numa verdadeira declaração de guerra, ameaçavam com o inferno quem tivesse a ousadia de ir ver aquela imoralidade. A propaganda contra só aumentava a curiosidade. Nos bares, na praia, nos cafés e mesmo nos papos na praça do Ferreira não se falava em outra coisa: a atriz aparece nua. O filme, de 1933, dava asas à imaginação coletiva. Quanto mais se falava no filme, mais pressão fazia a igreja. Só que ninguém sabia que se tratava de um filme inocente, uma obra de arte que contava a história de um homem, já sexualmente decadente, que se envolvia com uma jovem de raro encanto. Mas todos só pensavam num que diabo essa mulher nua ia fazer na tela. Coisa boa não era, senão a igreja não estaria tão preocupada. Os jovens já não se importavam em ir para o inferno como prometiam os padres. Uma multidão fechou a rua Barão do Rio Branco, onde ficava o cine Diogo. Claro, só os sortudos conseguiram entrar. O jornalista Blanchard Girão conta em seu livro “Sessão das Quatro”, que estavam todos alí, com os nervos à flor da pele, diante da possibilidade de descobrir o mistério condenado pela igreja e que tanto fantasiavam: “como será aquela deusa de Hollywood sem roupa, fazendo o que?”

O filme começa. A personagem Eva, em seu cavalo, vai rumo ao lago nadar, nua. Sai da água e anda pelo campo à procura do cavalo. Tudo mostrado de longe. As únicas tomadas em que aparecem os seios em close são rápidas. O desânimo toma conta da plateia, que fica impaciente. Alguém sugere quebrar tudo. Sentem-se ludibriados. Não sei se o Blanchard estava lá, mas ele conta que todos saíram frustrados. Pensando em filme de sacanagem, não perceberam, segundo ele, que acabaram de ver uma obra prima do cinema europeu que tinha como ponto alto a beleza das imagens. 

Veja uma cena da atriz Hedy Lammar na lagoa. E eles acharam pouco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...