segunda-feira, 19 de setembro de 2016

OUTRAS HISTÓRIAS DO PIANTELLA


Aconteceu no Piantella

Um dia, levei o Tom Cavalcante ao Piantella. Antes do almoço ficamos fazendo hora no bar. Os amigos foram chegando, a bebida rolando e a conversa solta no mundo, indiferentes ao amigo Tom, não o reconheceram. Aí chegou a hora de apresentá-lo.  Quando descobriram que estavam diante do grande humorista de Sobral foi um Deus nos acuda. Nunca vi nada parecido. Transformaram-se em espirituosas criaturas. Cada um queria contar uma história mais engraçada do que a outra. Era como se estivessem querendo que o Tom um dia lembrasse deles, contando no palco uma de suas histórias.

O então senador Artur Virgílio contou um fato que protagonizara quando candidato no Amazonas. Um bêbado queria que ele fosse até a mesa onde estava a família dele. Insistiu tanto que não teve saída. O senador, depois das apresentações, resolve abreviar sua passagem pela mesa fazendo um brinde: 

- Vamos saudar a esposa do nosso companheiro, um brinde a todos.

E o bêbado, mais irreverente, não podia: 

- Esposa, não, senador. Tô só transando.

----

Gonzaga Mota 

Numa sexta, levei o economista Gonzaga Mota para almoçar no Piantella. Marco Aurélio, o dono do restaurante, chega e apresento o Gonzaga como futuro governador do Ceará. Ele duvidou do potencial do candidato. Poucos meses depois estava em Fortaleza, convidado do governador, participando da posse.

----


Rafael Rabelo
Noutra sexta, Carlos Henrique adentra ao bar do Piantella na companhia de Rafael Rabelo. Nesse dia não teve almoço. Foi muito violão, dedilhado com maestria, para nosso deleite, até à seis da tarde. Foi quando fiquei sabendo que Rafael era irmão dos jornalistas  Rui Fabiano e João Bosco, dois papas da mídia brasileira e, de quebra, cunhado do Paulinho da Viola.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...