quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A ELEGÂNCIA DO CHAPÉU




Wilson Ibiapina

Pegue um retrato  do início do século passado e vai ver que as pessoas, homens e mulheres, estão todos de chapéu. Do rico ao pobre, do menino ao velho. Como todos ficavam elegantes. 


A moda desapareceu quando eu comecei a gostar de usar chapéu. Numa viagem que fiz ao exterior nos anos 90, com um grupo de jornalistas, todos  usávamos uma proteção na cabeça, bonés, gorros, por causa do frio. Mas,  dois desses companheiros – Pedro Rogério e Jorginho Costa Neves -  usavam chapéus côco  de feltro, forrados e com aquela faixa de couro perto da borda, chamada de carneiro, que serve de proteção contra suor da cabeça. Caros. Hoje então, por que raros, mais caros ainda. 

Pedro Rogério com seu tradicional chapéu
Depois da viagem Pedro Rogério  me deu de presente o chapéu que ganhara do pai, Vivaldi Moreira. Isso me motivou e comecei a comprar chapéus por onde passava. Depois ele pegou o dele de volta, mas minha coleção já estava formada. Coleciono também bonés, gorros, sombreiros mexicanos e akubras australianos, que é o chapéu de pelo de coelho. Tenho de palha, de pano e de fibra de coqueiro. 

Minha coleção de chapéus 
Não  lembro  de meu pai de chapéu,  mas meus avós, lá na Serra Grande, no Ceará, já usavam. Coronel Pedro Ferreira e major Moises Aarão Ibiapina (ambos da Guarda Nacional) cobriam a cabeça com chapéus de massa de abas curtas e longas.

O chapéu é usado desde os tempos primitivos para proteger a cabeça do Sol, do frio e da chuva. As intempéries climáticas continuam, mas o homem parou de usar chapéu. A vida moderna nas cidades deixa as pessoas menos expostas ao tempo. 

Paulo Brossard
Aqui em Brasília, os últimos políticos a guardar seus chapéus na Chapelaria do Congresso Nacional foram o gaúcho Paulo Brossard e o piauiense Flávio Marcílio. Pelas ruas da Capital, quando faz frio ou muito calor,  ainda encontro Pedro Rogério e Jorginho Costa Neves com os chapéus herdados dos país. Carlos Henrique de Almeida Santos imita o pai dele e os dois  podem ser vistos de chapéu ou boina. 

Até hoje há formatos de chapéus que marcam seus usuários. Não precisa descrever, basta dizer o nome que você lembra o estilo, tipo chapéu Santos  Dumont, Fernando Pessoa, Napoleão Bonaparte, Lampião, Indiana Jones ou Chapeuzinho Vermelho. 


É de tirar o chapéu pra essa moda que deixava as pessoas elegantes e protegidas. Hoje, apesar de fora de moda, continuo usando chapéu. Só tiro na igreja,  quando ouço o hino nacional ou quando estou diante de uma dama.





2 comentários:

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...