terça-feira, 28 de outubro de 2014

B DE PAIVA DE VOLTA ÀS ORIGENS


B de Paiva

Wilson Ibiapina

Feito o salmão, que consegue nadar centenas ou milhares de quilômetros pelos oceanos antes de voltar ao rio onde nasceu, B de Paiva arruma as malas para voltar para Fortaleza. A despedida dele, em Brasília, está sendo organizada pelo cineasta Pedro Jorge. Será terça feira, dia 4 de novembro, no restaurante Madrid. Dia cinco estará voltando para o Ceará com a atriz Lourdinha, sua companheira inseparável dos últimos anos. Aos 82 anos, que completa dia 6 de novembro, deixa a marca de sua trajetória profissional no Rio, Brasília e Ceará, com repercussão nacional.

José Maria Bezerra de Paiva, o que tem de competência tem de humildade. Nasceu em 1932 em Fortaleza, fruto da união das famílias Oliveira Paiva e Bezerra de Menezes. O avô dele, João Francisco, mestre de ofício, pintor e escultor, foi o primeiro fotógrafo do Ceará. Morreu envenenado com com produtos  químicos  que usava nas revelações. Ele veio de Portugal e teve dois filhos. Um deles, Oliveira Paiva, só foi lembrado 80 anos depois de morto. A mãe dele era da família Bezerra de Menezes que está na história do Ceará.

O pai era jornalista e diretor da Fenix Caixeiral até o dia em que teve a brilhante ideia de fazer uma campanha pela  semana inglesa. Até então o trabalho era direto que nem cantiga de grilo. Parar aos sábados era uma audácia inadmissível. Foi demitido por ser tão criativo.

Desde menino Zé Maria era apaixonado por teatro e cinema. Seu vizinho, Tarcísio Tavares, também louco por cinema, quando ficava doente pagava o ingresso só para o Zé Maria lhe contar o filme, o que era feito teatralmente, com muita gesticulação e  ruídos onomatopaicos. Foi vendo filmes dirigidos por Cecil B de Mille que Tarcísio Tavares, o saudoso TT, teve a ideia de batizar o José Maria Bezerra de Paiva de apenas B de Paiva. Pegou. 

Ainda menino B de Paiva sofreu um acidente que deixou sequelas na perna direita, mas não lhe afastou  das atividades artísticas. Em 1950  estréiou como autor e ator no Teatro Experimental de Arte, fundado por ele e os amigos Hugo Bianchi, Marcos Miranda e Haroldo Serra. O problema da perna lhe perturbava e teve que pedir ajuda ao jornalista Jáder de Carvalho que fez campanha para que fosse ao Rio fazer um tratamento. Em 1954, aos 22 anos, foi apresentado ao embaixador Phascoal Carlos Magno. O protetor das artes e dos artistas arranjou pra ele dormir no camarim do Teatro do Estudante, na Une. Foi o primeiro contato dele com o teatro no Rio.

Trabalhou em mais de 500 produções para cinema, rádio, TV e, principalmente, teatro. Depois do golpe de 64 reabriu e dirigiu o teatro da Une que havia sido destruído num incêndio. No Rio de Janeiro coordenou instituições públicas culturais e criou cursos de teatro, como o primeiro curso superior de Artes Cênicas na UniRio. Também trabalhou na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi reitor. Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará, foi o criador da primeira secretaria de cultura do estado. O governador Virgílio Távora o surpreendeu dando o cargo de secretário a Raimundo Girão. Em Brasília, onde chegou a ser coordenador da Funarte e um dos fundadores do Ministério da Cultura, foi professor da UnB e fundador da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, vinculada à Fundação Brasileira de Teatro, da qual também foi presidente em 1995. Em 1999, coordenou os assuntos culturais e artísticos da Pró-Reitoria de Extensão da UFC e a diretoria do Colégio de Direção do Instituto Dragão do Mar, além de estar ligado à Fundação Amigos do Theatro José de Alencar. Como dramaturgo, escreveu, entre outras, as seguintes peças: "Complexo", "Lágrimas de um Palhaço", "Rosa Morta", "Vigília da Noite Eterna". Em parceria com o pernambucano Hermilo Borba Filho, publicou o livro "Cartinhas de Teatro".

Toda a vida profissional dele está documentada em livros, cartazes, filmes, um acervo valioso que ele guarda na fazenda do conterrâneo Geová Sobreira, numa cidade satélite aqui do Distrito Federal. O sonho de B de Paiva é conseguir em Fortaleza um local, num museu ou biblioteca, para guardar toda a história de sua trajetória profissional, um exemplo de tenacidade e talento para as novas gerações. É um dos nossos maiores artistas que não pode ser esquecido 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...