sábado, 11 de novembro de 2017

HOMENAGEM AOS AMIGOS QUE PARTIRAM



Wilson Ibiapina


Estão chamando nossa turma

O pernambucano Antônio Maria, cronista, jornalista, colunista, compositor, antes de ficar famoso no Rio passou por Fortaleza, onde fez sucesso como locutor esportivo. 

Chico Anísio contava que um dia, quase ele mata a mulher do atacante Pipiu, durante um jogo em que o goleiro do time adversário era um tal de Puxa a Faca. Na época, a bola era chamada de pelota ou couro. E Maria transmite: 

- Pipiu vai cabecear, vem Puxa Faca e arranca o couro da cabeça do Pipiu. 

A mulher do craque, ouvindo a transmissão do jogo pelo rádio, não pensou duas vezes antes de desmaiar. "Escalparam meu marido." 

Em 1952, Antônio Maria fez a letra e Zé Gonzaga, irmão do Rei do baião colocou a música e cantou:

Nós era sete
Fumo morrendo
Fumo morrendo
E só fiquemo eu
Não houve reza
Não houve nada
Fumo morrendo
E só fiquemo eu


Essa música só lembra os amigos jornalistas que vão ficando pelo caminho. E não são poucos. No Ceará , o Galeguinho, repórter policial, Flávio Pontes, Odalves Lima, Agladir Moura. Carlos Paiva, Ciro Saraiva ,Edmundo Castro, Edmundo Maia, Ezaclir Aragão, Venelois Xavier, Vander Silva, Edilmar Noroes, Durval Aires, Francisco Bilas, Neno, Guilherme Neto, Dário Macedo, Tomas Coelho, Rangel Cavalcante, Lustosa da Costa…

Aqui em Brasília nem se fala. Carlos Castelo Branco, Abdias Silva, João Emílio Falcão, Alfredo Obleziner, Elisio Pontes, Carlos Chagas, Pompeu, o do Ceará e o do Pará. É gente demais. São tantos, que nem lembro todos.

Enfim, nós era sete
E só fiquemo eu


Nenhum comentário:

Postar um comentário

BRÁSILIA SUPER RÁDIO FM - DESAPARECE A RÁDIO QUE DIVULGAVA CULTURA

Wilson Ibiapina O maior sonho do cearense  Mário Garófolo era ter sua própria emissora de rádio. Nascido em Messejana, distrito de ...