domingo, 27 de janeiro de 2019

MISSÃO IMPERIAL VISITA A 5ª CIDADE DO CEARÁ


-->
Wilson Ibiapina

CRATO

"Eu vou pro Crato

Comer arroz com pequi
Feijão com rapadura
Farinha do Cariri
..........
Eu vou pro Crato
Já não fico mais aqui
Cratinho de açucar
Coração do Cariri."

(Luiz Gonzaga)


O Ceará só tinha quatro cidades – Fortaleza, Sobral, Icó e Aracati - quando a Vila do Crato foi elevada para a categoria de Cidade no dia 17 de outubro de 1853.  Seis anos depois o Crato recebia a visita de membros da Expedição Cientifica, criada por Dom Pedro II para percorrer o Brasil identificando os recursos naturais e as populações. A expedição era composta por naturalistas e pesquisadores. O Ceará, escolhido como ponto inicial para os trabalhos, recebeu a partir de fevereiro de 1859, alguns  dos seus principais membros que permaneceram por lá durante quase dois anos e meio. O médico e naturalista fluminense  Francisco Freire Alemão, considerado  o maior botânico brasileiro do século XIX, chefiava a Comissão Científica. Ele registrou sua passagem  pelo Ceará num diário que foi publicado pelo Museu Ceará e que o Sérgio Costa acaba de me enviar. Essa expedição científica, batizada pela imprensa oposicionista, de «Comissão das Borboletas»,  desembarcou em Crato às 10hs da manhã daquele dia 8 de dezembro de 1859.  O médico ficou surpreso com a pobreza que viu na  rua do Vale, larga, longa, mas triste. A região do Crato tinha paisagens naturais, incluindo áreas de mata seca, cerrado, caatinga, mata úmida e carrasco. Essa biodiversidade tornava o local ideal para as pesquisas.

Dois dias depois que chegou, Freire Alemão escreveu no diário: "uma das coisas que mais nos atormentam é a quantidade de pobres, de órfãos, de aleijados, de cegos, de presos da cadeia que nos vem pedir esmolas, de joelhos e chorando." Essa gente levava ovos, galinhas, mangas e queriam receber em troca uma esmola em dinheiro, claro superior ao valor do presente. As histórias que ele ouvia do povo anotava no diário. Contaram-lhe da existência de uma casta de morcegos que se você conseguisse jogá-lo ao chão sai de dentro dele outro morcego. Outra historia que contavam   era sobre um lugar em Timbauba. Lá, cavando-se nele uma cacimba, logo aparecia água  com peixes. Nunca levaram o médico para ver o local.

Naquela época era difícil a entrega de correspondência. A demora fazia com que o povo criasse histórias sobre  rebeliões, queda de governos. Uma vez correu o boato de que ordem da capital mandava retirar todas as tropas de linha do interior. Quando a correspondência do dr. Freire chegou em janeiro de 1860, só trazia notícias da família, nada de notícias sinistras como as que corriam pelo sertão. Como se vê, a fake news, a famosa notícia falsa que nos atormenta hoje vem de  longe.

A viagem da  Comissão aos inúmeros recantos geográficos do Ceará e seus trabalhos, que  se estenderam por dois anos e cinco meses, foi toda ela registrada pelo pintor  José dos Reis Carvalho . É dele a primeira pintura  que se conhece do Crato. Uma  aquarela de  22x 49cm, uma peça rara e preciosa que está no acervo do Museu do Crato. Nela pode se ver toda a cidade a partir do Barro Vermelho. O grande pintor foi aluno de Debret na Academia Imperial de Belas Artes. Há quem diga que ele nasceu no Ceará.

Aquarela do pintor José dos Reis Carvalho registra o Crato de 1860


O jornalista João Brigido, fundador do  primeiro jornal do Crato, "O Araripe",  foi o cicerone dos membros da Comissão. Anos depois João  Brigido, que foi tataravô  de Sérgio Costa, Maninho Brigido e Mário Monteiro, fundou o jornal Unitário em Fortaleza. Diz o advogado  Sérgio Costa que foi de lá que ele brigou com metade do Ceará e fez a outra metade brigar com ele. João  Brígido, profundo conhecedor da história caririense, passou inúmeras e informações sobre a vida dos habitantes da região.  O poeta maranhense Gonçalves Dias, que fazia parte da Comissão Imperial apaixonou-se pelo verde e pelas fontes prazerosas do Crato. Li no blog do Crato, na Internet, que o poeta, chegou, inclusive a pensar em comprar terras no Crato, mas morreu antes de realizar seu sonho . Algumas das descobertas feitas pela Comissão Científica por aqui foram publicadas em "O Araripe." O Crato prosperou, virou a Atenas do Ceará devido aos movimentos intelectuais que a notabilizaram em todo o país.

José Ítalo Bezerra Viana escreveu que membros do Instituto Cultural do Cariri escolheram a Revolução Pernambucana de 1817 com  o episódio que projetou o Crato para a história. Mas aí já é outra  história.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...