sábado, 14 de janeiro de 2012

MORRE PEDRO VIRGÍNIO


Morreu sexta-feira, 13, em Fortaleza,  vítima de câncer, o diretor técnico do Sistema Verdes Mares Pedro Virgínio Onofre Barbosa. Ele estava com 61 anos.  Roberto Moreira escreveu sobre ele:

Pedro Virgínio foi um visionário. O engenheiro, que trabalhou durante mais de 30 anos no Sistema Verdes Mares, foi um dos grandes responsáveis pelos avanços da televisão no Ceará. Ele participou de todo o processo de evolução das emissoras de TV e rádio do grupo Edson Queiroz até a era digital. 

O diretor comandou a maioria das transmissões nacionais e internacionais realizadas pelo Sistema Verdes Mares. Trabalhador incansável, passava por constantes processos de reciclagem à procura de novas tecnologias.

Paralelo ao trabalho, Pedro Virgínio Onofre Barbosa cultivava uma grande paixão: o automobilismo. Piloto por vocação, ele conquistou reconhecimento nacional nas corridas e na concepção e no desenvolvimento de alguns dos mais incríveis protótipos do país.



Espron
A genialidade de Pedro Virgínio foi reconhecida, inclusive, pelo tricampeão mundial de Fórmula 1, Nelson Piquet, que o escolheu para criar os protótipos Espron, seus modelos de maior sucesso. 

Foi assim que os carros do cearense ganharam as pistas brasileiras e chegaram a fazer a abertura de duas etapas da Fórmula 1 no Brasil, na década de 1990. Os feitos de Pedro Virgínio não pararam por aí. 



Cucaracha
O engenheiro também criou carros de passeio. Um deles foi    o buggy “Cucaracha”, que chamava atenção pelo design. O modelo fez tanto sucesso que chegou a ser usado durante a gravação da novela Tropicaliente, filmada no litoral cearense.



Sua vida, seus projetos
Além de criar protótipos velozes, Pedro era um dos maiores incentivadores do automobilismo cearense, reverenciado e respeitado como a personalidade mais importante do setor no Estado. Uma de suas maiores preocupações era garantir que a história do esporte no Ceará não se perdesse.


A trajetória do mestre, como era conhecido no meio, foi interrompida de maneira brusca há menos de dois meses, quando foi internado às pressas, com fortes dores abdominais, únicos sintomas de um câncer. Em menos de 60 dias, Pedro Virginio passou por várias intervenções cirúrgicas. Ele lutou como um guerreiro, mas não resistiu e morreu no fim da noite de sexta-feira, 13 de janeiro.


Pedro e sua amada Nilce
Pedro Virgínio deixou a esposa, Nilce, três filhos e um importante legado para a história do automobilismo, da televisão e do rádio cearenses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...