quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A VIAGEM

Wilson Ibiapina

O Galba Aragão, a meu pedido, levou o possante para Ibiapina, onde mandou fazer os primeiros reparos. Meu irmão, Newton, conseguiu emplacar e transferir os documentos para meu nome, com a ajuda do Durval Aires Filho, a chamada interferência divina.

A desembargadora Dulcina providenciou o transporte dele da Serra Grande para Brasília, onde ficou quase um ano em oficinas erradas. O Hermínio Oliveira apresentou-me um angolano que na vida só consertou jipe. O carro velho agora já pode ser chamado de carro antigo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...