quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

RODGER E O PESSOAL DO CEARÁ



por Isabel Lustosa

 (crônica publicada no DN)

ISABEL LUSTOSA
00:00 · 23.01.2016

Faz quase 40 anos que vi pela primeira vez um show de Teti e Rodger Rogério. Não devo ter visto muitos mas as coisas que nos deixaram impressão no começo da vida marcam como se tivessem acontecido de forma contínua e por um longo tempo. E quando a gente vai fazer as contas vê que foi algo que se passou durante poucos meses, ou semanas, dias ou até em um único instante.
Tenho vagas lembranças dos shows deles que vi nos anos 1970. Na verdade, apesar de "Barco de cristal" não ser a minha favorita, é a que mais claramente se fixou com uma aura de certa magia, a partir do lugar da plateia em que eu vi cantando, lá no palco, a Teti, pequenina, com sua basta cabeleira, uma fita amarrada na testa, vestido branco, longo e rendado.
Era uma cantora e tanto. Nunca esqueci de sua interpretação de "atiraste uma pedra no peito de quem só te fez tanto bem". Na verdade, só me interessei por essa música por causa daquela interpretação da Teti. Tenho-a gravada pela Bethânia, mas sem faltar com a verdade, as inflexões, paradas e mesmo a voz mais grave da Bethânia me fazem sentir falta do tom mais sincero que tinha a interpretação da Teti.
Esta semana, meu filho, o Chico, que passa férias em Fortaleza, foi a um show do Rodger. Por algum desses fenômenos que nem todos os pais da minha geração tiveram a sorte de viver, eu e Chico temos muitas afinidades culturais. De modo que a mala de long-plays que, por algum tipo de fetiche, me acompanhava desde que vim do Ceará para o Rio, encontrou finalmente uma utilidade que parecia descartada.
O fato surpreendente é que o pessoal da geração dele resolveu que o bom é ouvir disco de vinil na vitrola. Nada de CD (que, por sua vez já virou velharia), iPod ou alguma coisa nova que inventaram e eu ainda não soube. Eles querem é vitrola de agulha tocando long-play.
Aliás, isto este é um fenômeno relativamente recente, pois quando o Chico tinha uns dez anos viu na minha estante um disco compacto. Era o "Som do Pasquim", que andava solto por aqui e eu achei que já que era uma relíquia mesmo, cabia na decoração. Minha surpresa foi o menino perguntar: "mãe, o que é isto?". Quer dizer, em 1998, uma criança não sabia mais o que era um compacto. Por isto também: viva a ressurreição do vinil.
E um viva também para o fato da turma que está hoje entre os 20 e os 30 querer ouvir Ednardo, Belchior, Fagner e Fausto Nilo e querer ver um show do Rodger Rogério. E ver e adorar e virar fã. Quarenta anos depois do lançamento do primeiro disco dele. O Chico já tinha entrevistado o Fausto para um programa da Radio Universitária, quando estava na faculdade.
Era fã do Ednardo, que conheceu pessoalmente aqui no Rio, em um show da Mona Gadelha, há uns cinco anos. Ficaram amigos e o Chico tem muito orgulho dessa amizade que se renova em eventuais encontros e pelo Facebook. Agora chegou a vez de conhecer o Rodger Rogério.
Afinidade maior não poderia haver, pois o Rodger é físico, carreira que o Chico escolheu. O Rodger é de uma geração de físicos boêmios, poetas e sonhadores que, ao lado da turma de perfil parecido da arquitetura, fez da vida cultural da Fortaleza dos anos 1970/80, algo de muito especial.
Além do Rodger, tinha o Dedé Evangelista, seu parceiro (será que o Dedé ainda tem um filme em que eu e Clelia aparecemos na flor dos nossos 18/20 anos? Eu ia gostar muito de me ver). Tinha o Heliomar, que viveu um tempo no Rio, justamente o tempo em que aqui cheguei e era, como se diz hoje, um querido. Tinha e tem porque ainda circula neste meio o Flavio Torres. Este vi recentemente no natal do maior abandonado.
Invenção do Claudio Pereira, o Natal do Maior Abandonado foi inspirado pelo fato que, nos dias 24 e 25 de dezembro, fazem aniversário Antônio Carlos Campelo Costa e Ataliba Pinheiro, dois integrantes da velha patota da Beira-mar dos gloriosos tempos do Bar do Anísio.
Com o passar dos anos, o almoço, que antigamente acontecia no restaurante do Náutico, acabou também servindo como comemoração do aniversario do também saudoso Augusto Pontes, que nasceu em 30 de dezembro de 1935. E de Antonio Carlos Coelho, que é de 5 de janeiro. Nos últimos tempos, a turma tem se reunido no Flórida Bar, o chamado Clube do Bode, que fica na rua D. Joaquim, do lado da Livraria Livro Técnico, do Sergio Braga, amigo de meu pranteado e nunca esquecido irmão, o jornalista Lustosa da Costa.
Este ano eu consegui ir ao Natal do Maior Abandonado e ainda levei a tiracolo o Chico e seu primo, Gabriel. Pena que, quando o Chico chegou, o Flávio Torres já tinha ido embora. Teria conhecido mais um colega físico que tem outra afinidade com ele: o gosto pelas viagens de aventura. Flávio já percorreu a América do Sul mais de uma vez em sua motocicleta.
Chico não chegou a tanto, mas nessas férias foi de bicicleta com uma turma de amigos de Fortaleza a Jericoacoara. Percorrendo o litoral. Realizando o sonho de conhecer o Ceará que ele ama tanto, apesar de ter nascido no Rio.
Daí que, das músicas que ouviu no show do Rodger, a que não conhecia e mais gostou foi "Chão sagrado".
Feita em homenagem ao grande Paulo Vanzolini, ele também um cientista boêmio, zoólogo de renome internacional e compositor popular, autor de clássicos como "Ronda", "Volta por cima" e "Cuitelinho" ("Eu entrei no Mato Grosso/ Dei em terras paraguaia/ Lá tinha revolução/ Enfrentei fortes batáia, ai, ai").
Conta a lenda que Rodger e Belchior o conheceram em São Paulo, quando o Rodger concluía lá seu curso de física. Descobriram que Vanzolini conhecia tudo do Nordeste, do Nordeste profundo, e resolveram homenageá-lo com essa linda canção que diz:
"Você conhece o Nordeste/ palmilhou seu chão sagrado/ viu cascavel em coluna/ sol quente prá todo lado/ Você conhece o nordeste/ Morro branco e Quixadá/ palmilhou seu chão sagrado/ por isso pode falar/ Minha viola em peito/ canta e nunca desafina/ ela é que sabe dos modos / da cantoria nordestina..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...