sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O FIM DO MUNDO

Tem até data: 21.12. 2012

O mundo está abarrotado de notícias péssimas. Vão desde a alta temperatura, provocada pela poluição, que pode causar mortes e prejuízos de trilhões de reais à economia, até casamentos dos jovens que se desmancham na primeira briga. O crack mata e se espalha pelo interior feito fogo de palha. A Aids ataca adolescentes.

Mas bem pior é a previsão de um raro alinhamento cósmico, que acontece a cada 26 mil anos. Ao mesmo tempo, deverá ocorrer uma mudança do eixo da terra. A data exata é 21.12.2012. Está no calendário Maia, está no Google. É só colocar a data e pesquisar.

O cineasta alemão Roland Emmerick já levou para as telas. Todos vamos ficar com medo. Antes do mundo se acabar para José Saramago, ele pintou o Deus da Bíblia, em seu último livro “Caim”, como vingativo, rancoroso, capaz de mandar um pai (Abraão) matar o próprio filho (Isaac) só para provar que lhe é fiel. Será que ele vai nos detonar?

Em 1938 surgiu uma onda parecida. No momento em que Hitler tomava o poder na Alemanha, rolava pelo mundo boatos de que um cometa ia se chocar com a Terra, que haveria um eclipse total. Assim, como esse cineasta que fez agora o filme 2012, o compositor baiano Assis Valente
aproveitou o mote naquele tempo e fez o samba: ”Anunciaram e garantiram/Que o mundo
ia se acabar/

Não é por isso que vamos deixar de eleger o futuro presidente da República, não podemos desistir de preparar o país para sediar a Copa de futebol e a Olimpíada. Vamos manter a cabeça ocupada para não ficar pensando só no apagão final.

Não faça como Assis Valente no samba que, acreditando nessa conversa de fim de mundo foi tratando de se despedir e de aproveitar: “Beijei a bôca/ De quem não devia/ Peguei na mão/De quem não conhecia/Dancei um samba/Em traje de maiô/E o tal do mundo/Não se acabou/...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...