sexta-feira, 24 de julho de 2015

O BRASIL DO REAL OU O BRASIL REAL


 
João Soares Neto

“O Brasil não é para principiantes”, frase atribuida a Tom Jobim.

 
O Brasil tem coisas estranhas, dignas de serem analisadas pela sociedade psicanalítica nacional. Houve tempo em que muitos carros mostravam o adesivo: “Brasil, ame-o ou deixe-o». Depois veio a luta pelas diretas e o país se veste de verde e amarelo. Tancredo vai eleito, por via indireta, e há verdadeiro carnaval. Aí Tancredo morre e o país se desmancha em lágrimas. Cada pessoa parecia ter perdido um pai ou um conselheiro.
Surge o presidente Sarney e repete, no discurso de posse, uma frase de Tancredo: “É proibido gastar”. E começa a gastar. Gasta tanto que só há uma soluçao: o Piano Cruzado. “Cada brasileiro ou brasileira deverá ser um fiscal do presidente”, disse e o povo aceitou. Nunca o sistema Telebràs faturou tanto quanto logo após a decretação do Plano Cruzado. A Sunab e a Polícia Federal ficaram encarregadas das reclamações e de trotes, fuxicos e perseguições de pessoas que nao gostavam de outras e, aproveitando a ocasião, haja denúncias.
Sarney enxuga as lágrimas do povo brasileiro e passa a ser o nosso novo herói. Todo bom herói que se preza tem o seu fiel escudeiro - como Zorro e Tonto - e Samey não fugiu à regra, tinha o seu Tonto, ou melhor, o Dilson Funaro. Menos de um ano se passou e Samey perdeu o seu trono na paixão coletiva. Depois, o lbope disse ao Samey que o seu caso de amor estava acabando juntamente com a nossa paciência. Ele resolveu arregaçar as mangas de seu jaquetão clássico, pentear os bigodes e a cabeleira e costurar o “pacto social», que não aconteceu.
Após Samey veio o Collor com a aceitação total da mídia e da maioria dos incautos eleitores que não souberam ver no seu olhar um indisfarçável desequilíbrio. Deu no que deu. E aí veio o Itamar com o seu temperamento ciclotímico, amigos de segunda e idéias de terceira, como ressuscitar o velho fusca. Apesar disso, no final do seu governo, Ciro Gomes e economistas de peso bolaram o Plano Real do qual se apropriou o então Ministro da Fazenda, FHC, e dai para a eleiçao foi um passeio. FHC vai reeleito, a custa de barganhas.
Em meio a procelas e ajustes, o Plano Real se mantém há 21 anos e, o povo feliz, permitiu a aprovaçao da reeleição, deixando para depois as reformas fiscal, administrativa a previdenciána. Temos tempo. O brasileiro estava alegre, até frango já come.
Saiu FHC, entrou Lula, o metalúrgico do ABC, falando a linguagem que a maioria do povo queria ouvir. Os empresários torceram os narizes. Em seguida, houve aproximação que virou amizade. Lula vai reeleito, viaja pelo mundo e propaga um Brasil crescente, resolvido, cheio de orgulho e zera as contas com o FMI.
Elege Dilma Rousseff, oriunda do Brizolismo, economista, descasada, mineira aclimatada no Rio Grande do Sul e ex-guerrilheira. Emerge o sonho da mulher descrito, entre outras, por Simone de Beauvoir, Rosa de Luxemburgo e Bertha Lutz. As mulheres vibram e Dilma vai eleita. Passam-se quatro anos, o mundo perde o gás econômico, mas, mesmo assim, Dilma vai reeleita. O país ressurge nitidamente dividido, começa o segundo mandato e os companheiros de Dilma, empreiteiros e integrantes de partidos diversos, são chamados à ordem por um juiz com sobrenome parecido com Thomas Morus, o filósofo da utopia, principia a deslindar a enorme teia que mais parece um labirinto de Franz Kafka.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...