quarta-feira, 30 de abril de 2014

Era uma vez ... HISTÓRIAS DA CAROCHINHA E DE TRANCOSO



Uma das atrações da II Bienal do Livro e da Cultura, realizada em Brasília, foi a presença dos contadores de histórias infantis. Lembrei que no Ceará os maiores contadores de histórias infantis estão em Juazeiro do Norte, no Cariri. É lá que ainda são resgatados  os contos e histórias de antigamente. Agora, sente aí que vou contar porque as histórias populares, inventadas pelo povo, são da carochinha ou de trancoso.

Até 1920, não existiam no Brasil editoras. Os livros vendidos aqui eram todos impressos na Europa, especialmente em Portugal. Eram caros e só uma  pequena parte da população brasileira tinha acesso. O livreiro Pedro da Silva Quaresma, dono da Livraria Quaresma, descobriu a pólvora. Viu que podia vender livros também para a grande massa da população. Passou a  trazer livros de cunho popular, em formato reduzido e a um preço acessível.  Histórias da Carochinha foi o primeiro livro infantil publicado no Brasil e acabou incorporando o termo carochinha ao nosso folclore. Até hoje representa uma velha boazinha e afável que distrai as crianças contando histórias  inventadas que sempre começam com um “era uma vez...”

Essas  histórias infantis também passaram a ser conhecidas no Brasil como histórias de trancoso. Tem esse nome não por causa da cidade portuguesa de Trancoso, nem do lugar na Bahia onde Pedro Álvares Cabral desembarcou em  abril de 1500, tomando posse do Brasil em nome de Portugal. Tudo começou com um dos primeiros contistas da língua portuguesa. Em 1575 Gonçalo Fernandes Trancoso escreveu os Contos & Histórias de Proveito & Exemplo. O livro, que chegou a ser editado também no Brasil, deu origem a expressão brasileira para designar a literatura infantil que o povo passa de boca em boca. Nossos pais cresceram ouvindo essas histórias de trancoso que nos passaram e que hoje está cada vez mais difícil repassá-las para nossos filhos.


A Internet diz que só existe hoje um único exemplar desse livro de Trancoso. “Contos & Histórias de Proveito e Exemplo" foi adquirido pelo historiador e diplomata brasileiro Manuel de Oliveira Lima  em 1923. Antes de morrer nos Estados Unidos, em 1928, ele duou sua biblioteca à Universidade Católica da América, em Washington.. É lá que está a única cópia da primeira edição do livro de Gonçalo Fernandes Trancoso. Não parece uma história de trancoso?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...