quarta-feira, 30 de abril de 2014

MERERÉ E CHEIROSO - na redação da Globo nos anos 70


Nunca soube seu verdadeiro nome. Mereré chegou à redação da Globo, em Brasília, pelas mãos do Gerson Gonçalves. Era assistente de cinegrafista, iluminador, conhecido também como “pau-de-luz”. Começou na profissão numa emissora de TV de Terezina, no tempo em que o Gamaliel Noronha apresentava os telejornais. 

Mereré estava na equipe que foi cobrir a visita do governador Alberto Silva à Parnaíba, sua terra natal. Durante o almoço, o governador resolveu fazer um balanço de sua administração. Distraído, pegou a faca que estava à mesa, ao lado do prato e começou a falar. Gesticulava com a faca na mão. A imagem, na TV, ia parecer que estava ameaçando os presentes. Um assessor chamou o repórter e pediu que evitassem usar na matéria a imagem do governador com a faca na mão. O repórter fez um bilhete, chamou o Mereré e pediu que levasse a lata com o filme para Terezina. Mereré saiu às pressas, empurrando todo mundo. Já na porta do prédio, um agente de segurança achou estranho aquele elemento com uma lata na mão, com cara de assustado e com pressa. Mereré foi barrado. Quando o agente abriu a lata estava lá o bilhete: atenção: cortar o governador com a faca. Mereré foi em cana, o filme velado, não foi ar.


Na Globo, Mereré, que bebia todas, estava morrendo de ressaca quando saiu com a equipe que foi fazer matéria num templo budista. Aprontou. Bebeu uns dois copos dágua dos que estavam ao pé do altar para purificação e na saida trocou os sapatos por um par bem novinho que um fiel havia deixado na entrada. Demitido, passou na redação bem cedinho e levou com ele todos os jornais do dia que estavam na mesa do Waldemar Pacheco, chefe de Reportagem. 

Pior do que o Mereré só o Cheiroso, um motorista que não tomava banho, mas enchia o corpo de perfume que, misturado ao suor exalava um cheiro insuportável. Um dia, fim de expediente, Waldemar Pacheco, seco pra tomar um aperitivo, pede que ele compre um uisque Old Eight . Waldemar quase vai à loucura quando Cheiroso chega com “um copo de leite”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...