quarta-feira, 26 de março de 2014

AS GATAS DE BRASÍLIA


Quando cheguei  a Brasília nos anos 70, as gatas que circulavam na cidade eram as meninas de programa que vinham de Goiânia, Anápolis, e das cidades mineiras do entorno.

A gata propriamente dita, (Felis silvestris catus), também conhecido como gata caseira, animal da Família dos felídeos,  era escassa no planalto central.

Diziam que os bichanos não se adaptavam à baixa umidade do ar do planalto central, com seus mais de mil metros acima do nível do mar. Morriam de asma, falta de ar. Aos poucos, os famosos gatos domésticos foram se adaptando e hoje povoam com naturalidade o Distrito Federal,  junto com seus quase  três milhões de habitantes.



E tem alguns famosos, como essa gata que acaba de tirar o passaporte para viajar  para a Zâmbia, na África. O bicho, que pertence ao economista Marco Alajmo, teve implantado um microchip no dorso, que permite que ele seja identificado em qualquer aeroporto por onde passaporte . 

Brasília também tem gata heroína.  Uma persa de onze anos começou a miar insistentemente até acordar seu dono, o contador Cláudio Monteiro, que teve tempo de espantar o ladrão que já estava dentro de seu apartamento na Asa Norte.

Sorte mesmo teve a gata angorá que recebeu uma herança no lugar de outra que fugiu de casa sem deixar rastro. Parece história inventada. O diplomata criava a gata num apartamento na  Asa Sul. Transferido para a Europa, ele pediu a uma vizinha que tomasse conta do animal. Um dia, a gata saiu de casa e nunca mais voltou. Desapareceu como por encanto. A mulher que tomava conta  foi surpreendida meses depois por uma correspondência internacional.  Avisava que o dono da gata havia morrido. E mais,  tinha deixado pra ela uma certa quantia em euros para que pudesse cuidar da bichinha por alguns anos. Bastava apenas apresentá-la ao advogado que ia fazer a entrega da grana.

Gata angorá
E agora? A história teria acabado aí não fosse no Brasil. Gato angorá, uma das raças mais antigas,  está hoje em todo o mundo. São vendidos em Pet Shops em Brasília. Foi lá que a senhora comprou uma gata branca, igualzinho à fujona. Em seguida viajou para a Europa, onde  mostrou a gatinha “substituta” para receber a herança. Essas são apenas algumas histórias que mostram que  as gatas de Brasília  prosperam estão mais famosas que os cães. Mais miau que au au.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...