terça-feira, 18 de março de 2014

PARIS É UMA FESTA


Se você me pedisse um conselho sobre um livro, eu ia sugerir Paris é uma Festa. Pequeno, de leitura fácil e agradável. Ernest Hemingway fala dos escritores e artistas com quem conviveu num tempo de dificuldade financeira, mas nem por isso triste.

Betty Milan diz que o livro foi escrito por causa de um acontecimento inesperado. Em 1957 Hemingway volta a Paris e se hospeda no Hotel Ritz. Para sua surpresa, os encarregados das bagagens lhe devolvem duas malas esquecidas num quarto do hotel 30 anos antes. Estavam lá cadernos com anotações sobre o cotidiano de Paris entre 1921 e 1926. Com esses dados ele partiu para o livro que fala dos tumultos e beleza dos anos 20. Foi publicado em 1964, depois da morte do autor, que ocorreu em 1961.  

Entre as personalidades do circulo de amizade do autor estava Scott Fitzgerald. Casado com Zelda  Sayre, louca, Scott fazia tudo para agradá-la. Um dia Ernest foi encontrá-lo numa oficina cortando com maçarico o teto de um carro, último modelo que havia custado uma grana. Explicou que Zelda não gostara do carro porque não podia ver o por do Sol.

De outra feita, Hemingway o encontrou num bar, aos prantos. Queixou-se que sua mulher não gostava mais dele e tinha certeza que era porque tinha o pênis pequeno. Hemingway levou Scott  ao Louvre e pediu para que olhasse as estátuas dos deuses.


Scott, que  tinha sido alcoólatra nos tempos da faculdade, continuava tomando todas. Ele ganhava muito dinheiro e fama com seus livros. Alugava aqueles príncipes desempregados pela revolução russa para fazer as honras nas festas monumentais que promovia em Paris. Segundo Hemingway, um dia ele escreveu na porta da adega: “Não arrombe a adega, mesmo com ordem do dono da casa!”. Scott morreu aos 44 anos de ataque cardíaco. A bebida lhe acompanhou por toda vida Ele tinha consciência do perigo: “Primeiro você toma um drinque,  então um drinque toma um drinque, e aí o drinque toma você.” Tem muitas outras histórias que retratam uma época em que Paris já era uma festa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...