sexta-feira, 26 de junho de 2015

SONETO CONTA E TEMPO


Obra prima do trocadilho, escrito no séc XVII, por Frei António das Chagas, também conhecido por Padre António da Fonseca, (Vidigueira, 25 de Junho de 1631 – Varatojo - Torres Vedras, 20 de Outubro de 1682) foi um frade franciscano e poeta português.

                      
CONTA E TEMPO

 

              Deus pede estrita conta de meu tempo.

              E eu vou, do meu tempo, dar-lhe conta.

              Mas, como dar, sem tempo, tanta conta,

              Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

 

              Para dar minha conta feita a tempo,

              O tempo me foi dado, e não fiz conta.

              Não quis, sobrando tempo, fazer conta.

              Hoje, quero fazer conta, e não há tempo.

 

              Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,

              Não gasteis vosso tempo em passatempo.

              Cuidai, enquanto é tempo, em fazer conta!

 

              Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,

              Quando o tempo chegar, de prestar conta

              Chorarão, como eu, o não ter tempo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UM CEARENSE SURREAL

Wilson Ibiapina Darcílio Lima ainda jovem, no apogeu criativo O cantor e Compositor Raimundo Fagner, que também é pintor, foi quem lembrou-m...